Visão Geral

A síndrome da mentalidade de criança mimada (SMCM) é o termo que sintetiza o modelo mental de uma pessoa adulta que parte do princípio que o mundo está em dívida com ela.

Também conhecido como a síndrome do “Meu umbigo”, ou ainda “Eu primeiro”, acredita que suas vontades devem ser atendidas em detrimento do bem estar de todos que com os quais convive.

Quando algo não acontece da maneira que ela acredita ser a certa para si, ela grita, xinga, é agressiva, esperneia e precisa colocar a culpa em outro alguém que não seja ela mesma.

Mesmo tendo a capacidade de dialogar e construir soluções coletivas, opta por desconstruir e tramar conflitos existentes somente em sua mente, jogando uma pessoa contra a outra.

Por conta disso afasta as pessoas, especialmente as mais próximas e age como uma pessoa egoísta, vaidosa, orgulhosa, e sintetizando isso em uma palavra, mimada.

Com pessoas que demonstram algum tipo de superioridade material, financeira, física, de poder ou beleza, a pessoa que sofre da SMCM, curiosamente age de forma a querer agradar, demonstrar ser uma pessoa simpática, parceira, legal e estável, pois ela precisa impressionar, conquistar e até comprar amigos que se tornem seus súditos e admiradores.

Esta atuação da pessoa com SMCM tem a duração apenas do seu interesse ser atingido, usando as estratégias de manipulação, e logo em seguida, passando a julgar, denegrir e ofender aquele que um momento anterior, era alvo de seus agrados.

Diagnóstico

A pessoa que sofre de SMCM busca se colocar como vítima em situações em que com baixo esforço conseguiria resolver com um simples diálogo.

Buscar um culpado externo, nunca ela mesma, para tudo o que acontece consigo é outra característica muito forte e marcante.

Foge a todo custo de responsabilidades. Mesmo sendo capaz, opta por não sair da sua zona de conforto e não se compromete consigo mesma. E quando decide fazer alguma coisa, busca os atalhos.

Tem muita habilidade na arte da mentira e manipulação, das pequenas às grandes, e encontra justificativa para tudo o que deixa de fazer e que deveria ser feito.

Quando se sente encurralado e reconhece que foi pego, diz que irá mudar e de fato realiza grandes mudanças, mas que em geral, duram pouco tempo, voltando novamente a sua zona de atuação.

Só se sentem bem se estiverem se dando bem financeiramente, de preferencia com alguma tipo de poder ou influência com o mínimo esforço.

Se alguém mostra que esta vantagem momentânea deve ser motivo de preocupação para sua consciência moral, pensando em causa e efeito, ela tem a incrível habilidade de criar histórias magnânimas para si mesma e justificar o errado como certo.

Nos momentos de desespero busca resgatar sua espiritualidade, porém, tão logo passe a tempestade, esquece todos os compromissos assumidos.

Acreditam que o fato de terem feitos atos benevolentes no passado, já o exime de toda e qualquer necessidade de continuar fazendo coisas para o seu futuro.

Neste momento atual de grande uso da informática, redes sociais e celular, gastam uma quantidade enorme de tempo reclamando, julgando, criticando e condenando, e se sentem bem quando encontram alguém do outro lado da linha dispostos a manter o mesmo tipo de conversação.

Desdobramentos

Enquanto estão nesta zona de acomodação ou conforto, avessas a qualquer tipo de mudanças significativas para não correr novos riscos, desperdiçam oportunidades de aprendizado e trabalho. E quando as forças do destino trazem alguma desilusão, ficam desatentas, desalinhadas e desesperançadas, tendendo para o lado escuro e doloroso da depressão, das adicções e do suicídio.

Em geral, essas situações são muito desgastantes para a família, gerando muita dor, brigas e frustrações, que acabam afastando cônjuges, destruindo lares, dispersando familiares e amigos e terminando com situações de dor, sofrimento, perdas e solidão.

Tratamento

O verdadeiro tratamento começa quando a pessoa afetada pela SMCM cansa de sofrer, cansa de perder, cansa da solidão, cansa de ter horas vazias sem ter nada produtivo para fazer.

A mudança tem que vir de dentro, através do desenvolvimento de um forte propósito de vida, centrado no serviço ao próximo, na dedicação às grandes causas da humanidade, e de preferência, com dependência química de qualquer tipo de medicação.

Muita paz.